09 junho, 2015

IrrigOlive ajuda a produzir mais e melhor azeite


Investigadores portugueses encontraram uma forma de melhorar a qualidade do azeite e de aumentar a sua produção, que permite, ao mesmo tempo, optimizar os recursos hídricos. O projecto chama-se IrrigOlive e resulta de uma parceria entre a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), a Escola Superior Agrária de Bragança, a Universidade de Évora e o Instituto de Ciências Tecnológicas Agrárias, e a empresa VIAZ.
O IrrigOlive avaliou os efeitos de diferentes estratégias de rega. “O olival precisa de água mas é necessário racionar o uso desta para obter qualidade. Incentivamos a uma gestão sustentável, ao uso eficiente da água. Ainda há a ideia de que se o olival for mais regado a produção é maior, isso é mito”, explica Anabela Fernandes Silva, investigadora do Centro de Investigação e de Tecnologias Agro-ambientais e Biológicas da UTAD. A conclusão foi alcançada depois de os investigadores terem avaliado os "efeitos de diferentes estratégias de rega deficitária em comparação com a rega máxima nas relações hídricas da planta", bem como "os efeitos da estratégia de rega na eficiência da colheita mecânica da azeitona e na erosão hídrica do solo", explicou Anabela Fernandes Silva. O IrrigOlive foi aplicado a um olival de produção biológica na Quinta do Carrascal, no vale da Vilariça, entre 2013 e 2014. João Oliveira, sócio-gerente da quinta, garante a eficiência do projecto. “Uma coisa é regar outra é saber regar. Posso dizer que agora já sei regar. É impensável termos um perímetro de rega, ter água e não saber regar”, conclui João Oliveira Os resultados do projecto Rega Deficitária na Oliveira na Região da Terra Quente Transmontana foram apresentados em Vila Flor.

Publicado em 'Rádio Brigantia'.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Ocorreu um erro neste dispositivo